Blog

Importar para revender: 8 dicas infalíveis para aumentar seu lucro

Publicado em 22/02/2021 às 0:00

Compartilhe:
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

Em meio a Pandemia o número de pessoas que se tronaram empreendedoras cresceu 20% no Brasil, segundo pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) em parceria o SEBRAE. Isso significa que existe espaço no mercado empreendedor para todos que desejam trabalhar dessa forma, porque tem consumidor de vários tipos. 

No Brasil, muitos empreendedores se interessam pela importação de produtos para revenda, e a razão é óbvia: alguns produtos importados chegam a ser mais de 300% mais baratos que em nosso país. No caso de produtos importados da China, o desconto pode chegar a 400%. Devido à facilidade de venda desses produtos, saber como importar para revender pode ser uma grande oportunidade para aumentar seu lucro e ter sucesso em suas vendas!

Você quer saber como entrar nesse mercado tão lucrativo? Preparamos uma lista com 8 dicas de como importar para revender, explicando passo a passo sobre o que você precisa fazer. Acompanhe o post!

Antes de mais nada, é preciso saber que existem 3 formas de importar para revender:

  • Utilizar uma empresa de Trading, que fará a intermediação da importação cobrando uma porcentagem do valor da compra
  • Importar através do desembaraço aduaneiro, onde o valor do imposto é atrelado ao produto que você compra, podendo variar de 8% a 100%
  • Por fim, importar por dropship, que é a forma mais conhecida e utilizada, mas que representa alguns riscos tanto para o cliente quanto para o vendedor, conforme explicaremos logo mais.

Como importar para revender?

1. Ao importar para revender escolha a sua área de atuação

Tudo começa aqui, na escolha dos produtos que você deseja importar para revender. E para entrar no mercado da revenda, é interessante que você comece por produtos mais baratos e que tenham boa saída, isso ajuda a evitar assumir inicialmente grandes riscos. Pense sobre o que você gostaria de vender e quem são as pessoas que irão consumir o seu produto.

2. Defina sua capacidade financeira e seu público-alvo

Feito o exercício de pensar em quais seriam as pessoas interessadas em consumir seus produtos. Agora chegou vez de analisar sua capacidade financeira somando ao seu público-alvo.

É preciso saber se os seus recursos para investir na revenda de produtos importados são limitados. Se esse for o seu caso, então, seja prudente na hora de escolher os produtos. Não escolha por aqueles muito caros. O ideal é iniciar sua revenda com produtos de valor mais baixo, que esteja dentro de suas possibilidades.

O crescimento precisa ser gradativo e de forma sustentável. Entender suas limitações fará com que você perceba até onde pode ir e quais os caminhos a percorrer. Respeitando sua atual condição te ajudará a ter uma uma visão melhor de médio prazo, algo que via contribuir na inclusão de produtos de valores mais elevados entre suas opções.

Será sua capacidade financeira que vai auxiliar você na definição dos seus consumidores. Isso significa dizer que o termômetro das vendas será você acompanhar o comportamento dos seus consumidores.

Mas, se a sua capacidade financeira for mais ampla, é possível diversificar a gama de produtos ofertados. Mas lembre-se, é imprescindível manter o foco. Escolha no máximo 3 tipos de produtos, e conte com a possibilidade de seu cliente fazer encomendas de produtos específicos. Quanto mais específico for seus produtos e de valores elevados, mais focado serão os resultados das tuas vendas. 

É importante também que você conheça seus clientes e saiba de quais mercadorias eles gostam. Analise quem é seu público-alvo. Quem compra o seu produto?  Já experimentou conversar com seus consumidores para descobrir como melhorar nas revendas dos produtos?

3. Revenda o produto certo

A revenda do produto certo vai depender dos fatores mencionados anteriormente: sua capacidade financeira e seu público-alvo. Por exemplo, se seu público for jovem, é comum que compre roupas, perfumes, acessórios para celulares e computadores. Já os adultos tendem a comprar acessórios para carros, equipamentos eletrônicos etc. Descubra qual é o mercado que você mais atinge e revenda aquilo que seu público mais consome. É conhecendo quem compra seus produtos que as chances de acertos melhoram e número de vendas crescem.

4. Escolha os melhores fornecedores

É essencial que você encontre bons fornecedores, se quiser que seus clientes voltem a comprar de você.  Preze pelo seu profissionalismo. Vender produtos de qualidade melhora sua imagem como vendedor e fideliza seus clientes.

Esse é momento de realizar pesquisas e, para encontrar os melhores fornecedores, faça pequenas compras em várias lojas diferentes e teste o preço e a velocidade de entrega. Você também pode questionar amigos que importam, participar de fóruns de importação e grupos sobre o assunto nas redes sociais, ou ler blogs sobre o tema.

Uma preocupação constante de quem importa para revenda é a falsificação das mercadorias. Por isso, fique atento. Você deve tomar muito cuidado, especialmente ao comprar perfumes e roupas de marcas famosas. Em muitos casos, a compra nas lojas oficiais ou em grandes varejistas como Amazon e Macy’s garante a qualidade das mercadorias.

5. Saiba qual é o preço certo a cobrar sobre o produto

Comece realizando uma pesquisa na concorrência, isso vai facilitar na definição dos preços. Além disso, você pode tentar cobrar 20% a menos do preço da mercadoria no Brasil. Paralelo a isso, tente alcançar 100% de lucro em cada produto, mesmo com os impostos alfandegários.

E para te ajudar nessa etapa, nós criamos este artigo sobre como preparar e montar sua tabela de preços.

6. Use redirecionadores de encomendas

O uso de redirecionadores de encomendas nas compras internacionais também pode ser uma boa opção para quem quer importar para revender.  Este é um procedimento para compra em lojas que não enviam certos produtos para o Brasil, devido às restrições que as próprias marcas impõem em não comercializar tais tipos de produtos em nosso país.

É um serviço prestado por empresas no exterior que recebem sua encomenda e a redireciona ao Brasil. A grande vantagem é que o redirecionador de encomendas possibilita qualquer compra no exterior. Um exemplo de redirecionador é o Shipito.

No caso de vendas por meio de encomendas, você pode avaliar a possibilidade de vender com envio direto do Shipito para a casa do cliente. Neste caso, você cobra um preço menor pela mercadoria, deixando claro que se ocorrer cobrança de impostos, estes serão de responsabilidade do cliente. Essa modalidade agrada a muitos compradores, visto que eles podem economizar caso o produto não seja tributado.

7. Tenha estoque ou trabalhe com Dropshipping

Se a maior parte de suas vendas for realizada em lojas físicas ao invés de virtuais, o ideal é utilizar o velho e bom estoque. Ter um estoque, mesmo que pequeno, é interessante para não perder vendas, afinal, muita gente quer comprar na hora e não tem paciência para esperar pela mercadoria. Para não perder esse tipo de cliente, ter um estoque é a única saída.

Se você pretende revender pela Internet, o dropshipping pode ser interessante.  Trata-se de uma técnica de gestão da cadeia logística, onde o revendedor não mantém a mercadoria em estoque, apresentando seus produtos ao cliente através de catálogo ou página web.

Assim que o pedido de compra é finalizado, o vendedor solicita e paga o fornecedor, que fará todo o processo de embalagem e envio diretamente ao cliente. Os varejistas adquirem os seus lucros sobre a diferença entre o preço de atacado e varejo.

Portanto, para trabalhar com dropshipping é preciso apenas que você tenha um computador e acesso à Internet. Mesmo vendendo pela Internet, existe a necessidade de um estoque inicial para atender os clientes que necessitem de uma entrega em prazo menor. O ideal, nesses casos, é avaliar qual será seu estoque para atender sua demanda.

8. Assuma o controle sobre investimentos, vendas e lucros

É fundamental que você tenha o controle sobre seus investimentos, vendas e lucros. Um bom sistema de gestão poderá ajudá-lo na organização do seu negócio. Se você pretende vender os produtos em um e-commerce, é essencial que tenha um backoffice eficiente.

A forma mais garantida de agilizar e coordenar o back office de um e-commerce é integrar a loja virtual com um sistema ERP (Enterprise Resource Planning), que auxilia o empreendedor no controle das atividades através de cadastro dos clientes, dos fornecedores e dos produtos, cotações, faturamento, emissão de notas, controle do fluxo de caixa, do estoque, da produção e muito mais.

Esperamos que tenha gostado do artigo e que ele possa ajudá-lo nessa empreitada. E você, já tem alguma experiência com importação para revenda? Compartilhe sua experiência conosco, deixando seu comentário logo abaixo!

Quer saber mais sobre a ERPFlex? Fale com um dos nossos especialistas.

Assine a Newsletter ERPFlex