Valor de estoque: significado e dicas de gestão

Qual o valor de estoque ideal para sua empresa? O que é estoque? Como o estoque pode ser aliado do meu negócio? Como fazer uma gestão de estoque eficiente? Essas são apenas algumas das dúvidas que ouvimos diariamente de empresários em geral.

É realmente muito difícil encontrarmos empresas que entendam o real valor de estoque, que façam uma gestão eficiente e que tenham este setor como algo longe de problemáticas.

Ainda bem que, embora seja grande, esse é um problema com solução. Qual é a solução?  Conhecimento e controle!

Em conhecimento englobamos, o entendimento do seu nicho, dos interesses e costumes dos seus clientes, das ferramentas necessárias, dos tipos de estoque existentes, dos cálculos a serem realizados e assim por diante.

Já em controle, englobamos os acompanhamentos dos níveis considerados saudáveis, a ação dos colaboradores, custos, furtos, produtos de maior e menor saída, exatidão dos dados e assim por diante.

Para começarmos a falar sobre valor de estoque, precisamos, primeiro, entender o que é estoque. De forma sucinta, estoque são recursos materiais acumulados que tem o objetivo de viabilizar as operações da empresa procurando manter o melhor custo benefício possível.

Um erro comum, especialmente para iniciantes, é contar com um grande estoque para não ficar sem os produtos no momento dos pedidos, entretanto, é preciso encontrar um equilíbrio, afinal, produto estocado está diretamente ligado a dinheiro parado…dinheiro que não está rendendo nenhum retorno ao negócio.

 Valor-de-estoque

Tipos de estoque

Existem diversos tipos de estoque diferentes, onde, cada um deles possui uma definição e uma função. Normalmente, as empresas trabalham com apenas um dos tipos e é a logística o setor mais indicado para escolher o melhor tipo de estoque para cada empresa.

Neste tópico, falaremos sobre os 4 tipos mais utilizados, o estoque de proteção, estoque de ciclo, estoque de antecipação e estoque de canal.

Estoque de proteção – é, talvez, o tipo mais utilizado em empresas que atendem o cliente final e possui como maior objetivo a prevenção da falta de algum produto a ser comercializado. Ele responde a incertezas relacionadas ao fornecimento e a demanda. Ex. operações do varejo;

Estoque de ciclo – ao contrário do estoque de proteção, este é mais voltado a indústrias e fabricantes. Este tipo de estoque visa itens que circulam dentro da própria empresa para a fabricação de mais de um produto. Ex. Fábrica de automóveis;

Estoque de antecipação – este tipo de estoque visa atender sazonalidades, isso porque em determinadas épocas, existe uma necessidade maior de determinados produtos. Ex. Fábrica de chocolates na páscoa;

Estoque de canal – este tipo de estoque é aquele onde os produtos não chegam a estar na empresa, eles estão em trânsito, entre o fornecedor e a empresa. Ex. Qualquer material em trânsito.

Valor-de-estoque

Composição do Valor de estoque

A composição do valor de estoque vai muito além do que apenas o custo das mercadorias ou das matérias primas…outros custos também devem ser considerados e é, exatamente sobre isso que falaremos a seguir.

Para calcularmos o valor de estoque precisamos conhecer os custos do estoque que são divididos em 3 categorias: custo de pedido, de manutenção e de falta.

Valor-de-estoque

Custo de pedido

Esta é a despesa que ocorre toda vez que um cliente realiza um pedido e é dividida em 2 partes:

Custo do pedido: cobrança, comunicação, gerenciamento;

Custo implícito de logística: transporte e recepção.

Em geral, o custo de pedido é diferente de setor para setor, de produto para produto e de operações para operações, por isso, é preciso entender o fluxo das mercadorias que circulam na sua empresa antes mesmo de realizar este cálculo.

Valor-de-estoque

Custo de manutenção

Esta despesa não está ligada ao fluxo dos produtos e sim com o estoque parado, ou seja, custos de capital, de armazenagem, dos serviços relacionados ao estoque e dos riscos envolvidos no setor.

Custo de capital

Este custo inclui todos os investimentos financeiros e intelectuais aplicados no setor. Aqui, são incluídos, por exemplo, o maquinário e a estrutura do estoque. Além disso, é importante explicar que há a necessidade da separação do estoque em ativo (máquinas e equipamentos) e a parte que depende do fluxo de caixa (matéria prima).

Custo de armazenagem

Neste custo estão inclusos os valores despendidos no espaço físico do estoque, inclusive quando há problemas como a falta de espaço devido ao crescimento do estoque. Alguns dos custos envolvidos nesta etapa, são o aluguel, a luz, a água, os impostos e assim por diante.

No caso de saturação do espaço, ainda podem surgir novos custos para que seja possível retornar aos níveis saudáveis de operação para o setor.

Custo de serviços de estoque

Neste custo são inclusos os valores despendidos com TI, colaboradores envolvidos com o setor, manuseio dos produtos e a segurança do estoque.

Custo dos riscos de estoque

Os custos dos riscos, como o próprio nome sugere, visam cobrir a possibilidade de perdas no estoque por causa do tempo que os produtos ficam armazenados. Dependendo do setor da empresa, como as do ramo alimentício, essa é uma das mais importantes variáveis.

Valor-de-estoque

Custo de falta

Por fim, temos o custo de falta que representa o custo gerado pela falta de produtos solicitados pelos clientes. Em geral, é neste momento, por exemplo, que são realizados os pedidos emergenciais, que são mais custosos para a empresa.

Valor-de-estoque

Dicas de gestão

Agora que sabemos um pouco mais sobre o valor de estoque, podemos partir para as dicas de gestão que farão com o seu negócio mantenha o setor sob controle.

Considerar produtos de maior saída

Conhecer os produtos que possuem maior saída dentro do seu portfólio é uma poderosa arma para a saúde do estoque. Isso porque com essa informação, é possível realizar compras maiores para, assim, trabalhar com melhores valores e prazos junto aos fornecedores. O mesmo vale para produtos com pouca saída, entretanto, neste caso, para evitar compras muito grandes e produtos estocados desnecessariamente.

Além disso, vale conhecer também o produto que é o maior responsável pelo seu faturamento, que nem sempre é o mais vendido, mas que não pode, em hipótese alguma, estar em falta.

Realizar inventários e controle

Além disso, uma dica de gestão crucial, está em controlar, à risca, seu estoque. Para isso, inventários periódicos são necessários, mas só isso não basta.

Para manter o estoque sob controle, ferramentas de gestão e controle são fundamentais pois evitam furtos, garantem os níveis saudáveis para cada produto, mostram as interações de cada colaborador e assim por diante.

Valor-de-estoque

Sistemas de gestão

Um sistema gestão engloba tudo que falamos até aqui. Ele possibilita aos gestores o conhecimento, em tempo real, dos níveis do estoque e de informações necessárias para as análises acima citadas como tipos de produtos mais vendidos, mais rentáveis e etc.

Além disso, o sistema ainda integra os demais setores da empresa ao estoque, assim, produtos em falta não são vendidos, promoções podem ser feitas para produtos encalhados, isso sem falar, que o setor de compras consegue saber imediatamente o momento de realizar novos pedidos com um bom custo benefício para a empresa.

Com relação à segurança, o sistema possui uma tecnologia que aponta o colaborador que realizou determinada ação, sendo assim, os gestores conseguem rastrear melhor a origem e o destino de determinado produto, bem como os responsáveis em todo esse percurso.

Para saber mais sobre sistema de gestão e como ele pode ajudar no controle do seu estoque, fale com um dos nossos especialistas.

Esperamos ter esclarecido suas dúvidas sobre valor de estoque, entretanto, se quiser mais informações, assine nossa newsletter.

controle-de-estoque